O simples pode passar uma visão de amador aos usuários, mas é muito importante que o básico também seja abrangido, pois no final das contas o que acaba importando é que o ambiente esteja apto ao trabalho, os usuários finais não são responsáveis por resolver problemas ou demais atividades de T.I, por mais simples que possam parecer, ainda mais por questão de histórico é importante que os problemas sejam centralizados na equipe de TI.

Via wikinoticia.com

O óbvio na resolução de problemas

Existem muitos exemplos a serem dados, vou inventar um que envolve um mecânico. Imagine que o mecânico esta com um carro em suas mãos ao qual o dono relata um determinado barulho que incomoda ao andar, o dono do carro alega ser a suspensão que está condenada e que deve ser inteiramente trocada, ao levar para o mecânico, este pode trocar de fato a suspensão, mas o correto é começar pelo óbvio, mesmo que pareça uma atitude amadora, o problema pode ser peças soltas que podem estar ocasionando o barulho, neste caso a troca da suspensão além de não ficar barata, seria totalmente desnecessária para resolver o problema pontual.

O mesmo da situação acima ocorre com os computadores e deve ser tratado de igual maneira pelos técnicos e administradores de rede, imagine que o usuário abre um chamado dizendo que não tem acesso a internet e muito menos aos sistemas e compartilhamentos na rede, ele relata um problema com o drive de rede, o técnico não poderá, sem antes analisar a situação, remover e instalar novamente o drive, interessante que comece pelo óbvio, “o cabo de rede está conectado?”.

Tal situação ocorre em muitas profissões, a obrigação do profissional é oferecer um ambiente condizente ao trabalho e caso a solução de problemas seja necessária, aplica-la da maneira mais objetiva possível, analisando a situação e começando pelo óbvio, evitando desta forma ficar ‘contornando’ o problema com soluções complexas e por vezes não eficaz, o exemplo abordado não vale apenas para os primeiros níveis, com hardwares e aplicativos simples aos quais é necessário realizar troubleshooting, mas também com sistemas complexos ou grandes infraestruturas podem praticar o mesmo conceito, a não ser que você já tenha em mente a solução do problema depositado em sua base de dados.

Um ‘troubleshooter’ deve ser treinado para oferecer as melhores soluções aos problemas, todavia muitas vezes nem mesmo um profissional treinado é capaz de resolver rapidamente determinados desafios que surgem, por isso é importante ter parcimonia para analisar a situação e começar sempre pelo óbvio.

O audio a seguir foge um pouco do conteúdo publicado, todavia poderá agregar na leitura.

Nem todo mundo sabe o óbvio – Max Gehringer.

Sobre Tiago Maraldi

Tiago Maraldi Rozão escreveu 22 artigos no blog.

Share →

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>